Porque criei um blog (mais um desabafo da inspirada Josy)

Seriam tantos os motivos mas basicamente tenho um, mais forte. Quis dividir com várias pessoas (inclusive com a maioria que ainda não conheço pessoalmente mas que sempre dá o ar da graça por aqui) o que penso, o que sinto, o que espero, o que sou...

A princípio pensava em publicar receitas apenas, coisas gostosas que @s amig@s também pudessem fazer em casa para a família, para os amigos, para a pessoa amada. Mas essa idéia me parecia "cor-de-rosa" demais. E olha que a minha cor preferida desde a infância era vermelho!
Infelizmente não herdei cadernos de receitas da minha mãe ou da minha avó, como a doce Neyma.
Adoraria, mas cresci distante de meus avós e minha mãe era "ocupada demais" para "perder tempo na frente de um fogão". Talvez a minha opção por Gastronomia foi uma forma meio adolescente de "bater de frente" com a minha mãe (menina tem muito disso). E no final das contas foi uma grande diversão!

Fiz amigos e passei a rir ainda mais dos papelões que as pessoas fazem quando pensam que já sabem de tudo. Na faculdade de Gastronomia e nos outros cursos de especializção sempre existiram os parasitas, a molecada que pensa que arrasa porque é bancada pelos pais. Geralmente estes são os menos educados, menos cultos, menos humanos, porque não fazem idéia do que seja o mundo lá fora, porque não imaginam que existe um mundo fora da porta dos restaurantes mais badalados do Guia da Folha (ou do Guia Michelin). Estes são os que preferiam a morte a ter que trabalhar como Au pair (ou Babysitter) para pagar a estadia na Europa.
É gente que não sabe o que é pirão, gente que se espantou ao conhecer o vatapá durante as aulas de Cozinha Brasileira, gente que acha que a espuma de Ferran Adriá é uma das maravilhas do mundo (Quer saber? Que se f*** o Ferran Adriá com a espuma dele e sua legião de zumbis seguidores - se você é um deles desculpe, é direito seu, mas eu não tenho o menor pudor de fazer parte da minoria que assume que não vê graça depois de ter ido até o El Bulli, em Cala Montjoi tirar a prova dos nove. E digo mais: foi diante da mesa do restaurante dele que pensei nas riquezas que temos na culinária do Brasil, esse caldeirão maravilhoso de miscigenação).

Na faculdade de Gastronomia, que tanto prezava as "Boas Práticas" na manipulação dos alimentos (uma espécie de Mandamentos criados por nutricionistas e técnicos da ANVISA), via chefs profissionais (os professores) andando de avental pelos corredores - quando não, fumando do lado de fora da faculdade. A fumaça impregnando na dolma - e eu nem sabia se o sujeito tinha lavado as mãos antes de começar a aula-.

Passei alguns anos vendo o pessoal regurgitar discursos prontos acerca do que é Gastronomia, do que é aceitável ou não do ponto de vista da "crítica especializada". Idéias próprias, opiniões próprias? Pouquíssimas... mas ainda bem que existiam, dentre tantas saídas de um repertório batido.

Gente, demorei tantas linhas pra resumir que adoro vocês, que me visitam, que comentam, que usam suas cabecinhas para outras coisas além da utilização do Kérastase... Espero que em 2009 continuemos juntinhos, com as línguas (ou as mãos) tão bem afiadas quanto as Facas Ginsu.

O quê? Não conhece as Facas Ginsu? Não precisa perguntar para a sua mãe. Basta clicar aqui, ó:


6 comentários:

Nana disse...

Josy, cai da cama, na verdade nem consegui dormir direito, pq estou pensando em fazer uma ceia colorida... pesadelo.
Aonde eu fiz tinha esses tipinhos, que fazia oh a Gastronomia, mas a maioria era pessoas simples (já que lá é mais barato 600 reais que Anhembi e Senac), que já trabalhavam em restaurantes.
Lá era cheio de regras e se o professor falhava, a gente já cantava em coro "professor, a mão", "professor, o relogio"... também eramos alunos chatos.
Engraçado que só os brasileiros vão na midia "ah pq fulano é bom" ou "ah pq falaram isso então é isso".
Muitos não foram estudar como cientista malucos, descobridores de novos sabores e desenterrar cultura, algo que a gastronomia oferece e quem descobre, fazem sucesso.
Eu sempre falei com o povo do curso, que se eu não fosse casada e tivesse dinheiro para me garantir morar fora, iria para Chile, Peru, Bolivia, Venezuela, Cuba e trabalhar naqueles paises para aprender gastronomia.
Bem, a gastronomia Peruana, está ai cada dia crescendo, quando o povo esta se perdendo na Europa.
Enquanto todos estão indo fazer pratos diferentes e gourmets, estou estudando a gastronomia caseira, que todos conseguem fazer.
Sou do contra, a minha visão é outra de muitos que foram enganado pelo marketing educacional que gastronomia é o must.
Bem, tu sabe que eu adoro o seu cantinho!
Gastronomia não é apenas receitas, mas esta ligada a tudo a nossa vida (se não iriamos morrer, precisamos comer né?!), e amuuuu quando expressamos opinião.
Acho que escrevi demais hehehe
Bjs e Feliz 2009.
Cheio de paz e sucesso para nós.

Monica Loureiro disse...

Menina, vim parar no seu Blog através do Blog MAGIA NA COZINHA , e já me acabei de rir com o comercial das FACAS GINZU...Meu marido riu também, ele achava muito engraçado.....

Beijim e passe no meu Blog pra me visitar....

Monica Loureiro disse...

Adorei as facas Ginzu e o seu Blog...
Tenho um Blog de produção de vídeo ( também ) e quando tiver mais "raridades" como estas me mostre..

Josy Marmello disse...

Monica, amei sua visita. A primeira vez em Josy é inesquecível. Caso de amor ou ódio à primeira visita. Espero que no seu caso seja a primeira opção.

E você Nana, complementou meu post. Assino embaixo do que você escreveu.
Beijos!

Heloísa disse...

Josy,
Cheguei no seu blog, já não sei por qual caminho.
Você não sabe: há alguns anos meu marido viu essa propaganda na tv e comprou dois jogos das Facas Ginsu. Quando ele me disse que a garantia era de 50 anos, eu brinquei dizendo que teríamos que colocá-las no nosso testamento.
Um, ou dois anos depois, elas começaram a perder o cabo. Pois bem: só sobrou a maior delas, que é pouco usada. E é pouco usada, porque é péssima.
Propaganda totalmente enganosa!

Heiko Grabolle disse...

Adorei o seu Blog,

meus parabéns.
Abraço, Heiko Grabolle.

Blog Widget by LinkWithin